Tornar um Projeto Open Source

15 visualizações
Pular para a primeira mensagem não lida

Luiz Carvalho

não lida,
31 de ago. de 2008 20:19:3531/08/2008
para rails-br
Olá amigos membros do rails-br.
Mais uma daquelas :)

Como eu formalizo um projeto Open Source?

Eu estou criando meu projetinho aqui(http://maxonrails.wordpress.com/
tag/getna), que inclusive muita gente aqui já deu muita ajuda, e
queria torna-lo um Projeto Open Source.

Eu necessito de alguma formalidade a mais que disponibilizar ele em um
repositorio(http://github.com/LuizCarvalho/getna) e escolher uma
Licensa?

Ah aproveitando, a MIT é uma boa lincensa?

Grato.

Darkside

não lida,
31 de ago. de 2008 22:31:3231/08/2008
para rails-br
Olá!

Eu recomendo que vc use o rubyforge (www.rubyforge.org), pra catalogar
o projeto, atribuir a licença e tudo mais.

Que licença atribuir, depende. A mais comum e restritiva é a GNU GPL:
http://www.gnu.org/licenses/licenses.html

Até mais!

Thiago Freire

não lida,
1 de set. de 2008 05:32:4901/09/2008
para rail...@googlegroups.com
2008/8/31 Darkside <leonardo...@gmail.com>

Que licença atribuir, depende. A mais comum e restritiva é a GNU GPL:
http://www.gnu.org/licenses/licenses.html

Mas não use a restritiva, MIT está ótimo :)
A diferença básica entre as duas é que coisas derivadas da MIT podem ter qualquer licença, inclusive comerciais, enquanto as derivadas da GPL têm que continuar sendo GPL.

P.S.: Me corrijam se eu estiver errado, porque tem tempo que eu li a GPL...

--
"Chains of habit are too light to be felt until they are too heavy to be broken." (Warren Buffett)


Leandro Nunes

não lida,
1 de set. de 2008 06:26:5801/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Eu não usaria o termo restritiva ;)

A GPL na verdade é uma licença que garante indeterminadamente a liberdade do código. Afinal de contas a liberdade de um terminar quando começa a liberdade do outro.

T+

2008/9/1 Thiago Freire <frei...@gmail.com>



--
Dois Axé!!!

-----
"Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível e de repente você estará fazendo o impossível."
São Francisco de Assis

Leandro Nunes dos Santos
Bacharel em Ciência da Computação - UFBA
Membro do Projeto Software Livre Bahia - www.psl-ba.softwarelivre.org
Membro da Colivre - www.colivre.com.br

Contatos:
ICQ: 86979111 Jabber: leandr...@jabber.org
TEL: (71) 32407940 CEL: (71) 88266932

Ulisses Reina Montenegro de Albuquerque

não lida,
1 de set. de 2008 09:10:0201/09/2008
para rail...@googlegroups.com
A licença GPL[1] exige que todo trabalho derivado do seu código também
seja publicado sob a licença GPL. Isso evita situações em que alguém se
apropria do seu código, modifica de alguma forma e cria uma versão
melhorada que não é disponibilizada para todos da mesma forma que o
código original. Isso *não* significa que um projeto comercial não possa
utilizar o seu código, mas dependendo da forma como isso é feito[2] pode
ser necessário disponibilizar o código do projeto comercial (ou ao menos
a parte que depende do código sob licença GPL).

Outras licensas, como a MIT[3] e BSD[4], não possuem maiores exigências
com relação ao uso do código original em outros projetos, desde que os
nomes dos autores sejam preservados.

Muita gente considera a GPL uma licensa "viral", devido a alguns
discursos inflamados da Microsoft, uma vez que todo projeto que faz uso
de código licenciado sob a GPL também passa a ser GPL (respeitadas as
restrições em [2], e lembrando que existe a LGPL[5] para bibliotecas e
frameworks). Eu particularmente acredito que, para que a indústria do
software não precise reinventar a roda tão frequentemente, o reuso de
código é absolutamente primordial e portanto licensas que permitem que
versões melhoradas não sejam disponibilizadas de volta a comunidade não
são o ideal, devendo ser tratadas como exceções.

Por mais que a GPL pareça radical, a grande maioria dos desenvolvedores
conseguiria conviver com suas restrições sem afetar de forma
significativa o seu trabalho, e utilizando soluções alternativas quando
cabível ou absolutamente necessário. Anyway, são apenas meus $0.02.

Ulisses

[1] http://www.opensource.org/licenses/gpl-3.0.html
[2]
http://www.gnu.org/licenses/gpl-faq.html#GPLRequireSourcePostedPublic
[3] http://www.opensource.org/licenses/mit-license.php
[4] http://www.opensource.org/licenses/bsd-license.php
[5] http://www.opensource.org/licenses/lgpl-3.0.html
--
Ulisses Reina Montenegro de Albuquerque
AB34 A154 28C1 84A8 676E 202F 264B 117F 88BA B1A5
Tempest Security Intelligence [http://www.tempest.com.br/]
"In theory, theory and practice are the same. In practice, they are
not."


Rubem Azenha

não lida,
1 de set. de 2008 09:14:2501/09/2008
para rail...@googlegroups.com
"Garantir indeterminadamente a liberdade do código " parece ser muito bonito mais limita muito o uso do seu software, já que qualquer projeto que use o seu código GPL deverá obrigatoriamente ser open source.

2008/9/1 Leandro Nunes <leandr...@gmail.com>

Darkside

não lida,
1 de set. de 2008 10:07:4401/09/2008
para rails-br
É pragmático, na verdade. Você não limita nunca o uso do seu, um outro
código proprietário é que *precisa* entrar na mesma dança.

Funciona pro Linux, funciona pra mim :)

On Sep 1, 10:14 am, "Rubem Azenha" <rubem.aze...@gmail.com> wrote:
> "Garantir indeterminadamente a liberdade do código " parece ser muito bonito
> mais limita muito o uso do seu software, já que qualquer projeto que use o
> seu código GPL deverá obrigatoriamente ser open source.
>
> 2008/9/1 Leandro Nunes <leandronu...@gmail.com>
>
> > Eu não usaria o termo restritiva ;)
>
> > A GPL na verdade é uma licença que garante indeterminadamente a liberdade
> > do código. Afinal de contas a liberdade de um terminar quando começa a
> > liberdade do outro.
>
> > T+
>
> > 2008/9/1 Thiago Freire <freir...@gmail.com>
>
> >> 2008/8/31 Darkside <leonardobighe...@gmail.com>
>
> >>> Que licença atribuir, depende. A mais comum e restritiva é a GNU GPL:
> >>>http://www.gnu.org/licenses/licenses.html
>
> >> Mas não use a restritiva, MIT está ótimo :)A diferença básica entre as
> >> duas é que coisas derivadas da MIT podem ter qualquer licença, inclusive
> >> comerciais, enquanto as derivadas da GPL têm que continuar sendo GPL.
>
> >> P.S.: Me corrijam se eu estiver errado, porque tem tempo que eu li a
> >> GPL...
>
> >> --
> >> "Chains of habit are too light to be felt until they are too heavy to be
> >> broken." (Warren Buffett)
>
> > --
> > Dois Axé!!!
>
> > -----
> > "Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível e de repente
> > você estará fazendo o impossível."
> > São Francisco de Assis
>
> > Leandro Nunes dos Santos
> > Bacharel em Ciência da Computação - UFBA
> > Membro do Projeto Software Livre Bahia -www.psl-ba.softwarelivre.org
> > Membro da Colivre -www.colivre.com.br
>
> > Contatos:
> > ICQ: 86979111 Jabber: leandronu...@jabber.org

Rubem Azenha

não lida,
1 de set. de 2008 10:54:4701/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Pro caso do nosso coelega (um gerador de aplicações Rails - um scaffold 2.0?) não tem tanto problema ser GPL. Mas se for um framework como o Rails, aí já complica. Se o Rails fosse GPL, meu código teria que ser obrigatoriamente GPL. Note que nenhum framework relevante (do mundo Java principalmente) usa a licença GPL.

[]'s

Rubem

2008/9/1 Darkside <leonardo...@gmail.com>

Luiz Carvalho

não lida,
1 de set. de 2008 11:56:0301/09/2008
para rails-br
@Darkside

Valeu, vou colocar tambem no RubyForge.

@Ulisses

Você podia ter escrito isso em um artigo, agora como eu vou poder
referenciar seu texto XD.
não vi nenhuma Norma Tecnica para Emails =)


@Rubem

Podemos dizer que seria um Scaffold(2.0 iria ser muita prépotência,
mas uma versão legalzinha =) )



Eu estava feliz com MIT, agora to numa duvida danada de qual usar...
to quase aderindo ao GPL =)


Uma duvida ferrada que eu tenho, é se o meu projeto necessita seguir
algum padrão: Variáveis, comentarios, arquivos obrigatórios... ou algo
do genero.



On 1 set, 11:54, "Rubem Azenha" <rubem.aze...@gmail.com> wrote:
> Pro caso do nosso coelega (um gerador de aplicações Rails - um scaffold
> 2.0?) não tem tanto problema ser GPL. Mas se for um framework como o Rails,
> aí já complica. Se o Rails fosse GPL, meu código teria que ser
> obrigatoriamente GPL. Note que nenhum framework relevante (do mundo Java
> principalmente) usa a licença GPL.
>
> []'s
>
>
>
> 2008/9/1 Darkside <leonardobighe...@gmail.com>

Rubem Azenha

não lida,
1 de set. de 2008 12:24:1801/09/2008
para rail...@googlegroups.com
O padrão você quem define :)
Para saúde do projeto, é melhor usar os padrões aceitos pela comunidade e fazer o código-fonte em inglês. E não fazer POGs, já que seu código vai estar exposto para o mundo inteiro ver.

Geralmente o pessoal coloca a versão resumida da licença no cabeçalho de cada arquivo do código-fonte e a versão completa em um license.txt da vida.

2008/9/1 Luiz Carvalho <maxim...@gmail.com>

Thiago Freire

não lida,
1 de set. de 2008 13:19:1801/09/2008
para rail...@googlegroups.com
2008/9/1 Ulisses Reina Montenegro de Albuquerque <ulisses.m...@gmail.com>

Por mais que a GPL pareça radical, a grande maioria dos desenvolvedores
conseguiria conviver com suas restrições sem afetar de forma
significativa o seu trabalho, e utilizando soluções alternativas quando
cabível ou absolutamente necessário. Anyway, são apenas meus $0.02.

Pois é, mas sou adepto da MIT/BSD por ideologia...

Rafael

não lida,
1 de set. de 2008 13:34:0701/09/2008
para rail...@googlegroups.com
alguém já usou a Creative Commons pra software?



2008/9/1 Luiz Carvalho <maxim...@gmail.com>

Thiago Freire

não lida,
1 de set. de 2008 13:45:3801/09/2008
para rail...@googlegroups.com
2008/9/1 Rafael <rafa...@gmail.com>

alguém já usou a Creative Commons pra software?

Eles mesmos não recomendam. Mas realmente algumas pessoas usam...

Shairon Toledo

não lida,
1 de set. de 2008 16:30:3501/09/2008
para rail...@googlegroups.com

Luiz Carvalho

não lida,
1 de set. de 2008 18:43:5101/09/2008
para rails-br
AHHH Shairon, perfeito isso ai.
tava precisando de algo assim pra por na Monografia :)



Sabe, uma coisa que adoro nessa comunidade é que você pergunta uma
coisa e ganha uma aula de informação sobre um monte de outras coisas.

=)

On 1 set, 17:30, "Shairon Toledo" <shairon.tol...@gmail.com> wrote:
> Depois dê uma lida aquihttp://dropstech.org/2007/04/26/dez-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-o...
>
> 2008/9/1 Thiago Freire <freir...@gmail.com>
>
> > 2008/9/1 Rafael <rafael...@gmail.com>

Marcelo Castellani

não lida,
1 de set. de 2008 20:01:2201/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Imagine vc desenvolver uma aplicação como o mecanismo de pesquisa do Google e ele ser GPL...
 
Acho restritiva... já deixei de usar coisas GPL por causa da licença várias vezes...
 
É muito bonito pra serviços, mas pra venda de SW não funciona.
 
Marcelo

Darkside

não lida,
2 de set. de 2008 17:30:2202/09/2008
para rails-br
Claro que funciona, o que a GPL não permite é a utilização por
programas proprietários. Essa é a idéia fundamental da coisa! (D'oh)

On Sep 1, 9:01 pm, "Marcelo Castellani" <marc...@hypequino.com> wrote:
> Imagine vc desenvolver uma aplicação como o mecanismo de pesquisa do Google e ele ser GPL...
>
> Acho restritiva... já deixei de usar coisas GPL por causa da licença várias vezes...
>
> É muito bonito pra serviços, mas pra venda de SW não funciona.
>
> Marcelo
>
>   ----- Original Message -----
>   From: Rubem Azenha
>   To: rail...@googlegroups.com
>   Sent: Monday, September 01, 2008 11:54 AM
>   Subject: [rails-br] Re: Tornar um Projeto Open Source
>
>   Pro caso do nosso coelega (um gerador de aplicações Rails - um scaffold 2.0?) não tem tanto problema ser GPL. Mas se for um framework como o Rails, aí já complica. Se o Rails fosse GPL, meu código teria que ser obrigatoriamente GPL. Note que nenhum framework relevante (do mundo Java principalmente) usa a licença GPL.
>
>   []'s
>
>   Rubem
>
>   2008/9/1 Darkside <leonardobighe...@gmail.com>

Cássio Marques

não lida,
2 de set. de 2008 19:21:5902/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Eu me considero defensor de toda a ideologia por trás da idéia de software open source, mas eu acho que a mentalidade da GPL só faz com que todas as tecnologias open source continuem sendo consideradas por muitos algo meio "do gueto", underground demais.
No fim só quem usaria software assim, caso a única licensa opensource existente fosse a GPL, seriam os nerds programadores que somos, que constróem produtos para a própria comunidade. Empresa alguma poderia criar produtos utilizando código opensource e fazendo com que o mesmo atingisse cada vez mais desenvolvedores. Acho esse tipo de mentalidade muito bonita na teoria mas na prática simplesmente não funciona.
Eu acho que as *ferramentas* devem ser opensource (mesmo porque com elas podemos construir mais software open source ou código proprietário), mas o que se constrói com essas ferramentas não precisa necessariamente sê-lo,  afinal de contas nerds programadores também têm contas a pagar, e sem produtos que dêem lucro, como receber?

2008/9/2 Darkside <leonardo...@gmail.com>

Thiago Freire

não lida,
2 de set. de 2008 21:57:1102/09/2008
para rail...@googlegroups.com
2008/9/2 Cássio Marques <cass...@gmail.com>

afinal de contas nerds programadores também têm contas a pagar, e sem produtos que dêem lucro, como receber?

"Vender software" não é o único modelo de negócio que existe, mas, no geral, eu concordo com você.

Cássio Marques

não lida,
2 de set. de 2008 22:04:2902/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Sim, eu sei! E a possibilidade de prestar consultoria sobre softwares comerciais ou não que foram escritos utilizando ferramentas opensource reforça ainda mais a idéia de que a GPL é no mínimo equivocada ou de aplicação bastante restrita.

2008/9/2 Thiago Freire <frei...@gmail.com>

Eduardo Scoz

não lida,
2 de set. de 2008 22:12:0402/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Pessoal,

open source em geral não foi criado com o intuito comercial. Nunca foi essa a idéia. Se sua intenção é vender um produto, provavelmente o mundo open source não seja uma boa opção.

Open source foi criado por desenvolvedores para que seja possível a distribuição de código de forma responsável e justa para todos que participam. GPL não foi criada "equivocadamente", e não é "bastante restrita". O sua idéia (ou esperança) quanto à GPL que é.

Não desenvolvo código free, uso bastante, e contribuo aqui e alí quando posso. Mas tenho muito respeito por quem faz isso, e é chato ver algo assim escrito.

Nada pessoal, não pretendo iniciar flame aqui.

abraço,

Eduardo Scoz




2008/9/2 Cássio Marques <cass...@gmail.com>

Davis Zanetti Cabral - Listas

não lida,
2 de set. de 2008 22:21:1802/09/2008
para rail...@googlegroups.com
O pessoal poderia listar alguns projetos GPL de sucesso, onde conhece alguém que vive bem com isso?
Não estou duvidando, nem desafiando, é apenas para eu ter mais argumentos mesmo quando estiver numa discussão sobre esse tópico.

Cássio Marques

não lida,
2 de set. de 2008 22:26:1402/09/2008
para rail...@googlegroups.com
O que seria "o mundo opensource" para você?
Rails por exemplo, é opensource e é amplamente utilizado para criar aplicações comerciais e não comerciais. Isso faz com que quem usa Rails para criar aplicações comerciais não esteja usando "uma boa opção" ?

Perceba, eu também não quero começar flame algum aqui, nunca fui disso, em lista ou fórum algum.

Em momento nenhum eu critiquei a ideologia do opensource em si, apenas as restrições da GPL. Tenho enorme respeito porque qualquer pessoa que desenvolva algo útil e ceda seu trabalho para terceiros sem custo algum, em pról da disseminação do conhecimento e da liberdade de todos para usar tal ferramenta.

Talvez "equivocado" tenha sido uma expressão mal empregada por mim. Apenas quis dizer que se idéia de um programador ao criar algo opensource é permitir que aquilo que ele criou ajude, direta ou indiretamente, o maior número possível de pessoas (enfim, que o máximo de pessoas tenham acesso à tecnologia), GPL não é o melhor modelo.


2008/9/2 Eduardo Scoz <eduar...@gmail.com>

Marcos Piccinini

não lida,
2 de set. de 2008 23:13:4602/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Detalhe: O Open Source precede o software comercial.

O primeiro software do mundo foi "open source". "Unics" eh de
1969!!!!!!!
Era esperado q o code pudesse ser modificado.

O Bill Gaytes e a Microshit q tornaram o software comercial oq é hoje..
( com um pé do jobs tb na história... )

Marcelo Castellani

não lida,
2 de set. de 2008 23:56:4002/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Perfeito.

Thiago Freire

não lida,
3 de set. de 2008 00:58:3903/09/2008
para rail...@googlegroups.com
2008/9/2 Eduardo Scoz <eduar...@gmail.com>

open source em geral não foi criado com o intuito comercial. Nunca foi essa a idéia. Se sua intenção é vender um produto, provavelmente o mundo open source não seja uma boa opção.

Open source foi criado por desenvolvedores para que seja possível a distribuição de código de forma responsável e justa para todos que participam. GPL não foi criada "equivocadamente", e não é "bastante restrita". O sua idéia (ou esperança) quanto à GPL que é.

Não desenvolvo código free, uso bastante, e contribuo aqui e alí quando posso. Mas tenho muito respeito por quem faz isso, e é chato ver algo assim escrito.

Nada pessoal, não pretendo iniciar flame aqui.

Antes de tudo existem dois tipos de desenvolvedores open-source, Aqueles que acreditam na filosofia, ideologia do open-source (os que acham que nenhum código pode ser comercializado porque se trata de propriedade intelectual e não um produto). Vejam bem, só o código...não tem problema em comercializar o suporte e outras coisas mais. Afinal, você já estaria prestando um serviço, e nada mais justo do que cobrar por ele. O outro tipo é aquele que acha que open-source é só uma categoria diferente, um outro jeito de ganhar dinheiro. E ambos contribuem pra comunidade open-source em geral, lançando produtos e ajudando a melhorar outros.

Quanto a GPL e MIT/BSD...o que é mais livre? O software que o derivado tem que ser livre, ou o software que o derivado pode ser qualquer coisa? A GPL se fundamenta na proteção do open-source ou na destruição do software comercial. Algum dois dois é necessário?

Ulisses Reina Montenegro de Albuquerque

não lida,
3 de set. de 2008 08:33:0203/09/2008
para rail...@googlegroups.com
Pessoal

O problema é que a maior parte das pessoas acredita estar pagando pelo
*software*, e não pela solução do seu problema. O código escrito no
final é resultado do trabalho que realmente custa caro -- a expertise em
análise, modelagem e desenvolvimento de uma solução que atenda às
necessidades do cliente.

Sei que vários vão dizer "mas a realidade do mercado não é essa", e
sinceramente esses não me fazem a menor diferença -- eles vão ser
pro-software-livre quando isso for interessante para eles também, estão
apenas respondendo às tendências do mercado, o que em nossa economia é
até compreensível -- mas a verdade é que o código deveria ser de
propriedade do autor do mesmo, e caso o contratante deseje possuir
direito sobre ele, o custo deveria ser consideravelmente maior.

É assim que funciona com qualquer tipo de propriedade intelectual,
pagam-se fortunas a grandes autores de livros, músicas ou filmes não
pelo papel impresso, pelo CD/MP3 produzido ou pelo DVD/rolo de filme,
mas sim pelo trabalho do profissional que conseguiu produzir aquele
resultado. Claro que em alguns casos o direito sobre a obra pode ficar
para o estúdio, mas também pode (e em muitos casos fica) com o autor.

O que nos leva ao que interessa no caso da GPL -- se o software é meu, e
eu já resolvi o problema do cliente que me contratou, eu posso publicar
meu software sob uma licensa open source, permitindo que outros possam
fazer uso do resultado do meu trabalho e alavancando a indústria de
software como um todo. Altruísta? Provavelmente, mas no final todos se
beneficiam.

Eu já atuei em empresas de diversos portes, que fazem uso de software
livre em diferentes escalas, e tenho certeza de que com o sales pitch
correto e a clara demonstração de que posse do direito a propriedade
intelectual não afeta negativamente a qualidade da solução produzida
(pelo contrário, em muitos casos ajuda -- caso o projeto decole, o
contratante pode ganhar upgrades free no software que pagou para
desenvolver), não haveria tanta resistência por parte dos clientes.

Ulisses
--
Ulisses Reina Montenegro de Albuquerque

xauz

não lida,
4 de set. de 2008 15:38:0004/09/2008
para rail...@googlegroups.com
pessoal

voces estão confundindo open source com software livre, e são duas
coisas diferentes... sendo o o open source surgiu pra tornar o
software livre mais comercial...

Rafael

2008/9/3 Marcos Piccinini <cha...@gmail.com>:
--
Rafael Recalde Caceres
blog.rafaelcaceres.net

Ozéias Sant'ana

não lida,
29 de set. de 2008 07:41:3329/09/2008
para rails-br
Galera, buscado ajudar na definição e sanar as dúvidas gravamos um
podcast especial:

Veja: http://railsbox.org/2008/9/29/railsbox-podcast-4

Abraço,
Ozéias Sant'ana 
Ruby / Rails Developer
blog: http://railsbox.org
http://twitter.com/ozeias

On 4 set, 16:38, xauz <xau...@gmail.com> wrote:
> pessoal
>
> voces estão confundindo open source comsoftwarelivre, e são duas
> coisas diferentes... sendo o o open source surgiu pra tornar osoftwarelivremais comercial...
>
> Rafael
>
> 2008/9/3 Marcos Piccinini <chad...@gmail.com>:
>
>
>
> > Detalhe: O Open Source precede osoftwarecomercial.
>
> > O primeirosoftwaredo mundo foi "open source". "Unics"  eh de
> > 1969!!!!!!!
> > Era esperado q o code pudesse ser modificado.
>
> > O Bill Gaytes e a Microshit q tornaram osoftwarecomercial oq é hoje..
Responder a todos
Responder ao autor
Encaminhar
0 nova mensagem