ATÉ ONDE PODE IR A OMISSÃO DO PODER PÚBLICO?

0 views
Skip to first unread message

roos...@ebrnet.com.br

unread,
May 29, 2019, 7:26:36 AM5/29/19
to foru...@googlegroups.com

MUDANÇAS CLIMÁTICAS – ORIGENS E EFEITOS

O QUE A SOCIEDADE PENSA SOBRE O ASSUNTO

 

 

Em pesquisa realizada – única até hoje no Estado - pelo Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental e Social / NEPAS, grupo sem fins lucrativos, acessada via www.nepas.com.br , foi avaliado o perfil da percepção ambiental da sociedade na Região da Grande Vitória (Vitória, Cariacica, Serra e Vila Velha) tendo como base 960 entrevistas, com um erro associado  de mais ou menos 3%. 

Apesar da temática “Mudanças Climáticas” ser do pleno interesse da sociedade, com  requerimentos protocolizados junto aos Conselhos Estadual de Meio Ambiente (CONSEMA) e Estadual de Recursos Hídricos (CERH), por entidades da sociedade civil com assento nestes Conselhos (Junho de 2018 e Abril de 2019)1 até hoje, de forma inexplicável, nada foi feito por parte dos gestores ambientais no que se refere a convocação de reunião conjunta dos Conselhos para analisar e propor ações (corretivas e preventivas) que possam balizar a ação do Poder Público.

Entre outros questionamentos, foi perguntado aos entrevistados se conheciam o termo “Mudanças Climáticas”, obtendo-se respostas afirmativas em percentual que oscilou entre 18 e 23%. Para “Efeito Estufa” oscilou entre 1 e 2%, “Aquecimento Global” 17 e 22% e para “Desenvolvimento Sustentável” entre 11 e 20%, o que evidência a distância entre a sociedade e os conceitos básicos do conteúdo da pesquisa.

Foi pesquisada a causa das Mudanças Climáticas, observando-se a seguinte resposta: “devido a atividade humana” (entre 15 e 19%), questionando-se também se o Aquecimento Global (causa das Mudanças Climáticas) seria um problema sério, apenas 3 a 8% dos entrevistados confirmaram o fato.

A ação do Poder Público foi avaliada em termos de assegurar condições para a minimização do processo de Mudanças Climáticas, sendo, por 10 a 13% dos entrevistados, considerado como uma fraca ação, e 7 e 8%, uma muito fraca. 

Questionado se as instituições de ensino superior (públicas e privadas) estão preparando adequadamente os profissionais que deixam as faculdades de modo a poder enfrentar o tema Mudanças Climáticas, apenas 4 a 8% indicaram que sim.

Consultados se conheciam alguma organização não governamental (ONG) que atuasse na região onde mora, 21 a 23% disseram que não, além de acusar um reduzido acesso a sites ligados à temática ambiental (0,5 e 2% disseram que sim).

Perguntados se teriam interesse em ter maiores informações sobre o tema Mudanças Climáticas, foi observado respostas entre 5 e 8%. Quanto a Aquecimento Global as respostas oscilaram entre 9 e 11% e em relação a Efeito Estufa, 4 a 5%.

Perguntados se teriam interesse em ter maiores informações sobre o tema Mudanças Climáticas, foi observado respostas entre 5 e 8%. Quanto a Aquecimento Global as respostas oscilaram entre 9 e 11% e em relação a Efeito Estufa, 4 a 5%.

Questionados se a sociedade teria poder para exigir ações do Poder Público em relação as Mudanças Climáticas, 9 a 14% indicaram que a sociedade tem pouco poder, mas que deveria lutar para reverter esta situação.

Visando entender como a sociedade percebe os efeitos decorrentes das Mudanças Climáticas, foram observadas as seguintes respostas: “aparecimento de efeitos climáticos extremos” (8 a 15%), “elevação do nível dos mares” (11 a 17%), “derretimento das geleiras” (12 a 19%), “redução na disponibilidade de água” (4 a 12%), “desertificação” (7 a 14%), “efeitos na agricultura” (2 a 11%) e “efeitos sobre a saúde da população” (4 a 12%), contexto que caracteriza uma visão muito limitada da problemática das Mudanças Climáticas.

Consultados se participaram de alguma palestra / evento sobre o assunto, apenas 17 a 21% indicaram que sim.

Concluindo, dando ênfase apenas as conclusões prioritárias que ficam fundamentadas pelos resultados da pesquisa, pode-se inferir que a sociedade não está plenamente informada das causas e efeitos decorrentes da problemática das Mudanças Climáticas, ignorando – o que nos parece mais preocupante – o custo que deverá assumir no processo de (no mínimo) redução dos fatores que induzem o crescimento dos efeitos decorrentes da protelação do início das ações a serem adotadas.

O ato de protelar a discussão por parte do Poder Público, que inicialmente foi iniciada com a criação do Fórum Estadual das Mudanças Climáticas, que deveria operacionalizar o Plano Estadual de Mudanças Climáticas, mas que nos anos mais recentes foi (inexplicavelmente) desativado, evidencia a necessidade de reavaliação da postura adotada.

Abrir a discussão com a sociedade – esclarecendo os problemas e propondo formas de minimizar os efeitos decorrentes das Mudanças Climáticas – de modo que a mesma entenda claramente os custos a serem assumidos, é o único caminho para assegurar resultados concretos na ação que irá impactar muito a sociedade nos próximos anos. Ignorar (ou, o que é pior, excluir) a participação da sociedade é um risco que não deveria ser assumido pelo Poder Público, sob pena de, no futuro, ter que assumir a plenitude da chegada a uma situação irreversivelmente crítica.

 

Roosevelt Fernandes

Membro do CONSEMA e do CERH / Brasil – ES

roos...@ebrnet.com.br

 

 

 

De: foru...@googlegroups.com <foru...@googlegroups.com> Em nome de Mater Natura
Enviada em: quarta-feira, 29 de maio de 2019 05:20
Para: Fórum ONGs <foru...@googlegroups.com>
Assunto: *[Fórum Nacional de ONGs] Newsletter Mater Natura | Maio 2019

 

Caso não esteja visualizando corretamente, clique aqui.

maio de 2019 | newsletter mensal do Mater Natura

 

Os bons avanços na luta contra a liberação da caça no Brasil

Os bons avanços na luta contra a liberação da caça no Brasil

26 de Maio de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

Na manhã do Dia Mundial da Biodiversidade (22/05) foi realizado evento no Auditório Freitas Nobre da Câmara dos Deputados contra os 5 (cinco) projetos de lei que tramitam na Câmara com o objetivo de liberar a caça aos animais silvestres. Organizado pela Frente Parlamentar Ambientalista, Frente …

Leia mais.

 

Mater Natura é um dos vencedores do 26º Prêmio Expressão de Ecologia

Mater Natura é um dos vencedores do 26º Prêmio Expressão de Ecologia

26 de Maio de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

No início do mês de maio o Mater Natura recebeu a notícia de que estava entre os vencedores do 26º Prêmio Expressão de Ecologia. O Prêmio Expressão de Ecologia foi criado em 1993 pela Editora Expressão, um ano após a Conferência Mundial do Meio Ambiente no …

Leia mais.

 

A história em comum do Mater Natura e da Rede de ONGs da Mata Atlântica – RMA

A história em comum do Mater Natura e da Rede de ONGs da Mata Atlântica – RMA

26 de Maio de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

Em nosso último informativo foi estabelecida a meta de detalhar a história de atuação do Mater Natura em conselhos, redes e colegiados em que nosso Instituto vem participando ao longo de sua história de 35 anos. O Pacto pela Restauração da Mata Atlântica foi o primeiro …

Leia mais.

 

Resultados iniciais do projeto de Criação de RPPN no entorno do Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, em Paranaguá- PR

Resultados iniciais do projeto de Criação de RPPN no entorno do Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, em Paranaguá- PR

26 de Maio de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

O projeto executado pelo Mater Natura para transformar uma propriedade privada situada no município paranaense de Paranaguá em uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) foi recentemente contemplado pelo Edital Biodiversidade do Paraná da Fundação Grupo O Boticário de Proteção à Natureza. Com início em janeiro de …

Leia mais.

 

Mater Natura participa de relevante reunião dos Conselhos Gestores de Unidades de Conservação em Guaraqueçaba

Mater Natura participa de relevante reunião dos Conselhos Gestores de Unidades de Conservação em Guaraqueçaba

26 de Maio de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

O Conselho Gestor integra formalmente a estrutura de gestão de uma Unidade de Conservação (UC) e sua área de influência, para tratar de questões ambientais, sociais, econômicas, culturais e políticas. São previstos no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) em que estabelece que as Unidades …

Leia mais.

 

Facebook

Twitter

Google

 

Mater Natura - Instituto de Estudos Ambientais

Rua Lamenha Lins, 1080 - Rebouças, CEP 80250-020 - Curitiba (PR)
+55 (41) 3013-7185www.maternatura.org.br | con...@maternatura.org.br

Cancelar assinatura - Editar sua assinatura

con...@maternatura.org.br

--
--
Você recebeu esta mensagem porque está inscrito no Grupo "Fórum
Nacional de ONGs" nos Grupos do Google.
Para postar neste grupo, envie um e-mail para foru...@googlegroups.com
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para
forumongs+...@googlegroups.com
Para ver mais opções, visite este grupo em
http://groups.google.com.br/group/forumongs?hl=pt-BR?hl=pt-BR

---
Você recebeu essa mensagem porque está inscrito no grupo "Fórum Nacional de ONGs" dos Grupos do Google.
Para cancelar inscrição nesse grupo e parar de receber e-mails dele, envie um e-mail para forumongs+...@googlegroups.com.
Para ver essa discussão na Web, acesse https://groups.google.com/d/msgid/forumongs/ODEzNDQ2MAWY1822SI15JAMTU1OTExODAxNjc1NTMx%40maternatura.org.br.
Para mais opções, acesse https://groups.google.com/d/optout.

Reply all
Reply to author
Forward
0 new messages