VÉI DANDO CAGAÇO NA MENINADA

7 views
Skip to first unread message

Franklin Alves

unread,
Sep 12, 2011, 10:07:19 AM9/12/11
to Grupo CABCHB
Vejam a revolta desse cara.  k k k k k k k k k k k k k k k     Depois acessem o link lá embaixo e fique passando o mouse sobre a face do sujeito que vai aparecer.   Abraços
 

De: ivan gomes <iva...@hotmail.com>
 Não tem perigo, pode abrir e sorria!!!!
 
 
Abra o link abaixo e
Passe o mouse na cabeça do cara!
NINGUÉM TEM MAIS O QUE INVENTAR.

http://www.selfcontrolfreak.om/slaan.html
--
Franklin José Oliveira Alves, Fortaleza, Ceará, Brasil
Email:    franklinol...@gmail.com
Site:       http://www.franklinalves.com.br
Blog1:    http://franklinalves.blogspot.com
Blog2:    http://piadanuaecrua.blogspot.com
Skype:   franklinalves2

Ricardo Martins

unread,
Sep 12, 2011, 7:12:05 PM9/12/11
to amigosdo...@googlegroups.com

 

MEUS AMIGOS,

MAIS ALGUMA COISA SOBRE O SANGUINÁRIO ONZE DE SETEMBRO QUE A IMPRENSA INTERNACIONAL E NACIONAL NÃO DIVULGAM. E AINDA TÊM O DESPLANTE DE DIZER QUE ISSO É liberdade de imprensa. E DE ACUSAR A QUEM QUER DEMOCRATIZAR A INFORMAÇÃO DE ATENTADO À TAL liberdade de imprensa.

UM GRANDE ABRAÇO DEFENSOR DA VERDADEIRA LIBERDADE DE INFORMAÇÃO FIEL PARA TODA A POPULAÇÃO DO MUNDO, SEM MANIPULAÇÕES.

RICARDO MARTINS

http://n.i.uol.com.br/ultnot/album/110911_f_028.jpg

Chilenos seguram bandeira com imagem do ex-presidente Salvador Allende.

O líder socialista morreu em 11 de Setembro de 1973

VEJAM O VÍDEO SOBRE O ONZE DE SETEMBRO DE 1973, QUE A imprensa QUE SE AUTODENOMINA “livre” (CRUZ, CREDO) NÃO DIVULGA.

 

 

http://www.youtube.com/watch?v=7vrSq4cievs

 

 

 

Imágenes del Golpe: Chile, 11 de septiembre de 1973

En la madrugada del 11 de septiembre las Fuerzas Armadas toman la ciudad de Santiago. El subdirector de Carabineros, General Jorge Urrutia, es avisado desde Valparaíso que la infantería de Marina está en las calles y ha empezado a tomar posiciones de combate. Urrutia telefonea al Presidente, quien se encuentra en su residencia de Tomás Moro. Allende, calmado, pide ubicar a Pinochet y a Leigh, pero están inubicables. A las 7.15 horas Allende, en su automóvil Fiat 125, y el GAP se enfilan hacia la Moneda, llegan veinte minutos después…Comienza así la último día en la vida del Mandatario.En la madrugada del 11 de septiembre las Fuerzas Armadas toman la ciudad de Santiago. El subdirector de Carabineros, General Jorge Urrutia, es avisado desde Valparaíso que la infantería de Marina está en las calles y ha empezado a tomar posiciones de combate. Urrutia telefonea al Presidente, quien se encuentra en su residencia de Tomás Moro. Allende, calmado, pide ubicar a Pinochet y a Leigh, pero están inubicables. A las 7.15 horas Allende, en su automóvil Fiat 125, y el GAP se enfilan hacia la Moneda, llegan veinte minutos después…Comienza así la último día en la vida del Mandatario.

Allende viste una chaqueta y un pantalón marengo. Carga con un fusil AK-47 Kalashnikov, regalo de Fidel Castro, y el GAP ingresa al palacio de gobierno dos ametralladoras y tres RPG-7, además de sus armas personales...Allende trata de obtener información sobre el movimiento, al no poder contactar a Pinochet exclama, "Pobre Pinochet, debe estar preso".

Allende viste una chaqueta y un pantalón marengo. Carga con un fusil AK-47 Kalashnikov, regalo de Fidel Castro, y el GAP ingresa al palacio de gobierno dos ametralladoras y tres RPG-7, además de sus armas personales... Allende trata de obtener información sobre el movimiento, al no poder contactar a Pinochet exclama, "Pobre Pinochet, debe estar preso".

Paralelamente llega a esas horas Pinochet al comando de telecomunicaciones, en Peñalolén, con capacidad de anular las comunicaciones de algunas emisoras de radio. En el lugar se organizan las redes de comunicaciones con las demás ramas de las Fuerzas Armadas, especialmente con Leigh y con Patricio Carvajal, que será el coordinador de todo el golpe.

Paralelamente llega a esas horas Pinochet al comando de telecomunicaciones, en Peñalolén, con capacidad de anular las comunicaciones de algunas emisoras de radio. En el lugar se organizan las redes de comunicaciones con las demás ramas de las Fuerzas Armadas, especialmente con Leigh y con Patricio Carvajal, que será el coordinador de todo el golpe.

A las 9.55 los tanques ingresan en el perímetro de La Moneda y comienza el ataque.

A las 9.55 los tanques ingresan en el perímetro de La Moneda y comienza el ataque.

Francotiradores apostados en los altos edificios aledaños los tratan de repeler, y se inicia la balacera, pero La Moneda aún no era atacada.

Francotiradores apostados en los altos edificios aledaños los tratan de repeler, y se inicia la balacera, pero La Moneda aún no era atacada.

A las 10.15, a través de Radio Magallanes (la única pro-gubernamental aún no silenciada), Allende emite su último e histórico mensaje a la Nación... "Quizás sea ésta la última oportunidad en que me pueda dirigir a ustedes. ...."

A las 10.15, a través de Radio Magallanes (la única pro-gubernamental aún no silenciada), Allende emite su último e histórico mensaje a la Nación... "Quizás sea ésta la última oportunidad en que me pueda dirigir a ustedes. ...."

A las 10.30 los tanques abren fuego contra la Moneda, les siguen las tanquetas y los soldados, fuego que es respondido por los miembros del GAP y francotiradores apostados en los edificios aledaños.

A las 10.30 los tanques abren fuego contra la Moneda, les siguen las tanquetas y los soldados, fuego que es respondido por los miembros del GAP y francotiradores apostados en los edificios aledaños.

Palacio de la Moneda en llamas. A las 11.52 los aviones Hawker Hunter británicos inician su ataque a La Moneda, disparando en cuatro oportunidades sus cohetes Sura 3 sobre la casa de gobierno, el daño causado es devastador. Tal como lo demuestran los videos hechos por los canales de televisión, desde la azotea del Hotel Carrera frente al costado oeste de la Plaza de La Constitución...

Palacio de la Moneda en llamas. A las 11.52 los aviones Hawker Hunter británicos inician su ataque a La Moneda, disparando en cuatro oportunidades sus cohetes Sura 3 sobre la casa de gobierno, el daño causado es devastador. Tal como lo demuestran los videos hechos por los canales de televisión, desde la azotea del Hotel Carrera frente al costado oeste de la Plaza de La Constitución...

El ataque prosigue al palacio de gobierno con el uso de gases lacrimógenos, pero al ver que La Moneda todavía se negaba a rendirse, el general Javier Palacios decide tomarla y envía a un grupo de soldados a derribar la puerta del palacio, son las dos y media de la tarde. Dentro le gritan a Allende: ¡Presidente!, ¡el primer piso está tomado por los militares! ¡dicen que deben bajar y rendirse!.

El ataque prosigue al palacio de gobierno con el uso de gases lacrimógenos, pero al ver que La Moneda todavía se negaba a rendirse, el general Javier Palacios decide tomarla y envía a un grupo de soldados a derribar la puerta del palacio, son las dos y media de la tarde. Dentro le gritan a Allende: ¡Presidente!, ¡el primer piso está tomado por los militares! ¡dicen que deben bajar y rendirse!.

Entonces, según el testimonio de uno de sus doctores, Patricio Guijón, Allende grita ¡Allende no se rinde, milicos de mierda! y con el fusil AK-47 que le había regalado Fidel Castro se dispara en la barbilla....

Entonces, según el testimonio de uno de sus doctores, Patricio Guijón, Allende grita ¡Allende no se rinde, milicos de mierda! y con el fusil AK-47 que le había regalado Fidel Castro se dispara en la barbilla....

Los bomberos apagaron el fuego de La Moneda entre las 14:30 y las 16 horas…

Los bomberos apagaron el fuego de La Moneda entre las 14:30 y las 16 horas…

A las 18 se reunieron y se abrazaron en la Escuela Militar los cuatro comandantes máximos de las Fuerzas Armadas.. La junta toma el poder del país.

A las 18 se reunieron y se abrazaron en la Escuela Militar los cuatro comandantes máximos de las Fuerzas Armadas.. La junta golpista toma el poder del país.

La Unidad Popular y su presidente habían muerto, se iniciaban los 17 años del régimen militar encabezados por el Comandante en Jefe del Ejército, Augusto Pinochet.

La Unidad Popular y su presidente habían muerto, se iniciaban los 17 años del régimen militar encabezados por el Comandante en Jefe del Ejército, Augusto Pinochet.

 

http://www.cubadebate.cu/fotorreportajes/2010/09/11/imagenes-del-golpe-chile-11-de-septiembre-de-1973/

 

Ditadura chilena foi das mais violentas da América Latina no século XX

Governo que comandou o Chile com mão de ferro durante 17 anos, a ditadura militar liderada pelo general Augusto Pinochet foi uma das mais violentas e brutais da América Latina no século XX. Durante seu governo, mais de 3 mil pessoas foram assassinadas sob tortura pelos órgãos de repressão e o exército chileno. A ditadura chilena também torturou e matou milhares de outros militantes, dentro e fora do país. Militar, o pai da atual presidente do Chile, Michele Bachelet (foto), também foi uma das vítimas da ditadura. No exterior, o regime contou com a colaboração das ditaduras da Argentina, do Uruguai e do Brasil, montando a famigerada ‘Operação Condor’, destinada a perseguir militantes de esquerda em outros países. 
Augusto Pinochet chegou ao poder através de um golpe militar contra o governo do presidente constitucional Salvador Allende, no dia 11 de setembro de 1973, quando o Palácio de La Moneda (‘a Moeda’, em Português) foi cercado por tropas do exército e bombardeado pela Força Aérea. As primeiras agressões à democracia naquele fatídico 11/09 começaram nas primeiras horas da manhã, por iniciativa da Armada (Marinha) Chilena, comandada por um dos principais conspiradores, o almirante Toríbio Merino. 
Sitiado em La Moneda pelas tropas golpistas, o presidente Allende , após horas de heróica e brava resistência ao lado de um fiel grupo de seguidores, cumpriu sua promessa de ‘governar até o fim’ e ‘não renunciar ao mandato que o povo lhe dera’. Suicidou-se na tarde do dia 11, sem entregar-se aos fascistas que o combatiam.

Torturas e prisões em massa

Milhares de pessoas foram presas e torturadas logo nas primeiras horas após o golpe. Transformado em centro de torturas e execuções, o Estádio Nacional do Chile foi palco da destruição, física e psicológica, do cantor e compositor comunista Victor Jara, entre vários outros militantes que tiveram suas vidas burtalmente ceifadas pela ditadura. 
O golpe de 11 de setembro de 1973 foi apoiado tacitamente pelos governos dos Estados Unidos e da Inglaterra, países imperialistas que, na época, tiveram contrariados poderosos interesses de suas corporações transnacionais.

Contrariando interesses do imperialismo

Entre outras medidas que contrariaram abertamente os interesses imperialistas no Chile e na América Latina, as políticas econômica e social praticadas pelo governo Allende (1970-1973) nacionalizaram as minas de cobre, promoveram a reforma agrária e estimularam, em Santiago e outras importantes cidades do país, como Valparaíso, a formação dos chamados ‘cordões industriais’: organismos controlados diretamente por operários, camponeses e militantes com a finalidade de ‘integrar’ e ‘garantir’ a produção e distribuição de alimentos e produtos básicos numa determinada área geográfica. Nas cidades atuavam ainda os Comandos Comunitários, com funções semelhantes. 
Além dos cordões industriais, o processo chileno baseava-se na formação das comunidades agrícolas, responsáveis pela discussão, junto aos camponeses, da necessidade de uma reforma agrária controlada pelos trabalhadores, com a produção voltada para as necessidades sociais e econômicas do país, e não para especulação.

Sabotagens e ações encobertas

A reação dos setores empresariais e de direita nacionais e estrangeiros, vinculados ao imperialismo, não se fez tardar.  A produção e o abastecimento das cidades passou a ser constantemente sabotada por locautes (greves patronais) de caminhoneiros e outros setores estratégicos, muitas das quais financiadas diretamente por organizações empresariais e pelo governo dos EUA, através da CIA (Agência Americana de Inteligência e Espionagem) nas chamadas ‘operações encobertas’, ou covert actions’. Segundo o cientista político Moniz Bandeira, em seu livro ‘Formula para o Caos – A Derrubada de Salvador Allende’ (Editora Civilização Brasileira, 2008), essas ‘operações’ também incluíram atentados terroristas e assassinatos. 
Nos meios de comunicação — a maioria controlada por grandes financistas e latifundiários chilenos — estimulavam-se diariamente críticas histéricas ao governo socialista, algumas pedindo abertamente a intervenção golpista contra Allende.

Unidade Popular e a caracterização do Chile

Produto de uma coalizão de forças progressistas e de esquerda com segmentos pequeno-burgueses e de parte da classe média chilena, o governo de Allende ascendeu ao poder pelo voto e assentava na chamada Unidade Popular (UP), tendo à frente os partidos Socialista e Comunista (liderado por Luis Corvalán), além de organizações como o Movimiento de Ação Popular Unitária (MAPU) e a Izquierda Cristiana (IC). Fora da UP, o tencionamento à esquerda era feito pelo Movimiento de Izquierda Revolucionária (MIR), de inspiração castrista, e por setores do próprio Partido Socialista, liderado pelo Senador Carlos Altamirano, que preconizavam a luta armada para sustentar o governo Allende e fazê-lo avançar no aprofundamento de suas reformas. O pressuposto era o de que o Chile vivia uma situação ‘revolucionária’ ou ‘pré-revolucionária’, marcada pela dualidades de poderes e crescente debilidade das instituições-chave do Estado, como as forças armadas. 
Na opinião de Moniz Bandeira, este teria sido o ‘grande equívoco’ de compreensão do processo chileno por parte dos setores mais à esquerda da UP, que, segundo o autor, ‘não souberam perceber a diferença entre uma conjuntura de ‘ascenso de massas’ e uma situação efetivamente ‘revolucionária’.  Para Moniz, as instituições básicas do Estado, como as forças armadas, não estavam fracionadas e divididas ideologicamente de forma irreversível, como se supunha à época.

Via Chilena ao socialismo e fracasso de acordo

Uma das principais discussões conceituais e polêmicas que se fazia à época do governo Allende era a da ‘via chilena para o socialismo’, segundo a qual era possível, através de um processo cumulativo de profundas reformas econômicas e sociais, alterar substancialmente as estruturas da sociedade chilena, sem que fosse necessária uma ruptura institucional, como se verifica na forma clássica das insurreições revolucionárias. Esta era a perspectiva da maioria dos integrantes da UP.
Três semanas antes do golpe militar, e após mais um locaute de caminhoneiros, Allende tentou um ‘acordo de governabilidade’ com setores da Democracia Cristã (DC), do ex-presidente Eduardo Frei (1964-1970), representante dos interesses empresariais e de parcela expressiva da burguesia chilena, com maioria no parlamento. As conversações, no entanto, fracassaram porque a DC exigiu a reversão de todas as medidas econômicas de caráter popular já implementadas por Allende. A Democracia Cristã passou, a partir daí, a trabalhar ainda mais intensamente no apoio ao golpe.

Erro fatal na nomeação de Pinochet

Em meio à turbulência política, imediatamente após o lockout de caminhoneiros Pinochet foi nomeado por Allende comandante do Exército Chileno, a conselho do general legalista Carlos Prats — posteriormente assassinado pela ditadura, em Buenos Aires —, que o considerava ‘um militar leal’ às instituições. 
Foi o golpe de misericórdia para o governo Allende. Cada vez mais debilitado econômica e politicamente, o governo foi pouco a pouco sendo minado em sua base de apoio dentro e fora da UP. À direita, pela preparação do golpe em gestação, e que teve em Pinochet, no almirante Merino e na CIA seus principais articuladores. À esquerda, pela perda de autoridade ante processos — como os cordões industriais, as assembléias populares e as comunas campesinas — que já não mais controlava, num contexto de total desorganização da produção. O governo Allende pereceu em 11 de setembro de 1973 sem que pudesse articular uma resistência popular em larga escala.

Neoliberalismo da ditadura

No plano econômico, a ditadura chilena reverteu praticamente todas as principais medidas e políticas nacionalizantes do governo deposto, abrindo a economia do país às multinacionais e estabelecendo relações de total subserviência aos EUA e ao imperialismo. Em certo sentido, muitas das medidas ultraliberalizantes na área econômica, e que posteriormente seriam adotadas em outros países latino-americanos, foram experimentadas inicialmente no Chile de Pinochet.
Uma das situações mais absurdas sobre Pinochet foi sem dúvida o fato de o ditador ter morrido em 2006 sem ir a julgamento internacional pelas atrocidades cometidas em seu regime.
Como mancha e vergonha na história do Brasil, cumpre lembrar que o governo Médici foi o primeiro do Cone Sul a reconhecer oficialmente a ditadura chilena.

http://ante-et-post.weblog.com.pt/allende.jpg

 

 

http://mariopedroso.files.wordpress.com/2009/09/chile.jpg
Santiago, 11 de setembro de 1973

http://1.bp.blogspot.com/_UOa5LARhp2w/TIuyfX3WNoI/AAAAAAAAAQw/I0qB6CaUk64/s1600/11_de_setembro_torres_gemeas.jpg
Nova Iorque, 11 de setembro de 2001

 

 

 

image001.jpg
image002.jpg
image003.jpg
image004.jpg
image005.jpg
image006.jpg
image007.jpg
image008.jpg
image009.jpg
image010.jpg
image011.jpg
image012.jpg
image013.jpg
image014.jpg
image015.jpg
image016.jpg
image017.jpg

Ricardo Martins

unread,
Sep 12, 2011, 7:13:57 PM9/12/11
to amigosdo...@googlegroups.com

MEUS AMIGOS,

RECEBI E DIVIDO COM VOCÊS.

UM GRANDE ABRAÇO,

RICARDO MARTINS

 

 

http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2011/8/siro_darlan_do_insulto_a_injuria_184850.html

 

Siro Darlan: 'Do insulto à injúria'
Siro Darlan é desembargador da 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio

"Pouco mais de 24 horas se passaram desde que a juíza Patrícia Lourival Acioli foi chacinada. Quando se pensava que a covardia desse ato ficaria restrita a ele próprio — um insulto em forma de cusparada de sangue na cara do País —, se vê a ele somada a injúria da empáfia das autoridades públicas, especialmente as do Judiciário do Estado do Rio de Janeiro.

O atual presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro se apressa em justificar o injustificável: o motivo para uma juíza que até as paredes do Fórum de São Gonçalo sabiam ameaçada de morte estar completamente à mercê de seus matadores é singelo: ela não requisitara proteção, por ofício. Não obstante, sem ofício, ou melhor, de ofício, sua segurança, conforme avaliação (feita por quem? com base em que critérios?) do próprio tribunal, havia minguado na proporção inversa do perigo a que a juíza diariamente se via submetida. Fica, assim, solucionado o crime: Patrícia cometeu suicídio. Foi atingida por si mesma, 21 vezes, vítima de sua caneta perdida, que se encontrava a desperdiçar tempo mandando para a cadeia milicianos e todo tipo de escória que cresce à sombra do Estado, de sua corrupção e de sua inoperância.

Patrícia era uma incompetente, uma servidora pública incapaz de fazer um ofício! Não é isso que o senhor quer dizer, Presidente?

Que vergonha, Exa.! Por que no te callas? Melhor: renuncie ao seu cargo. No mínimo será muito difícil seguir à frente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, com a morte de Patrícia em suas costas. Ela está agarrada ao seu corpo e ao do seu antecessor, como uma chaga pestilenta. Sua permanência no ambiente dá asco e ânsia de vômito.

Qualquer pessoa que assistisse ao noticiário televisivo, que lesse jornal ou que tivesse acesso a algum outro veículo de imprensa nacional tinha conhecimento da situação de Patrícia e de que sua vida estava em risco. Não a Presidência do TJRJ. Segundo palavras do ex-presidente daquele órgão, seu único contato com a juíza se deu numa ocasião em que esta por ele foi chamada para prestar esclarecimentos a respeito de um entrevero que tivera com um namorado. O fato chegou às folhas e S. Exa., o então Chefe do Judiciário, se sentia no dever de agir logo, chamando às falas (sem ofício) a subordinada que colocava em xeque a imagem do Poder por ele gerido. Mas, para proteger a vida de Patrícia – ah, aí é querer muito! — era fundamental um ofício! E fico a pensar: em quantas vias? 21? As cópias deveriam ser em carbono azul ou seria possível usar um modelo vermelho sangue?

Era necessário que a magistrada juntasse ao expediente um mapa com a localização do Fórum de São Gonçalo, talvez? Ou um comprovante de residência? Atestado de bons antecedentes? Declaração dos futuros assassinos afirmando que a ameaça era real (a lista encontrada com o ‘Gordinho’ não tinha firma reconhecida, nem era autenticada, afinal).

Não tentem ler a minha mente, sem antes chamar um exorcista. Magistrados de primeira instância, uni-vos! Vossa integridade física está à mercê da fortuna. Vossa vida a depender de uma folha de papel. Vossas famílias nas mãos de mentecaptos. Marginais e milicianos em geral devem estar com a dentadura escancarada num esgar de romance policial. Bastaram duas motos, dois carros, um bando de vermes, 21 tiros e poucos segundos para derrubar o castelo de cartas que era a imagem da Justiça no Estado do Rio. Com tão pouco se revelou a podridão de um reino de faz-de-conta, o que contrasta com o quanto foi necessário para liquidar uma mulher só.

Um Poder sem força, sem visão, sem preparo; um setor do serviço público que se transformou, em verdade, numa grande empreiteira; quando não em um balcão de negócios (quebre-se o silêncio!). É inacreditável que a mais alta autoridade judicial do Estado sequer ruborize ao dizer que a proteção de uma juíza comprovadamente listada como alvo da milícia dependia de um pedido escrito. A declaração do magistrado-mor revela aos interessados em seguir matando juízes que o “Poder” por ele administrado não tem a menor ideia da realidade enfrentada pelos julgadores de primeira instância. Precisa ser provocado, cutucado, instado. O pleito de auxílio aos que dele carecem deve passar por um processo, um crivo que, como se viu, é muito eficiente, se o resultado perseguido for a eliminação daquele que precisa ser protegido. O Judiciário não realiza, por sua conta, qualquer controle, não mantém investigação permanente, não monitora seus inimigos: é um Poder-banana.

Os juízes de direito, de agora em diante, se transformaram na versão nacional do dead man walking (expressão gritada pelos guardas quando acompanham os sentenciados até o local da execução, nos presídios com corredor-da-morte, nos EUA). Os próximos serão os promotores, os delegados de polícia (os agentes penitenciários já são eliminados de há muito, assim como os jornalistas), os homens de confiança do Secretário de Segurança e este mesmo. Governador, tremei. Quem há-de impedir que isso ocorra?

A temporada de caça está aberta. A porta do Judiciário era sem trinco e agora não adianta colocá-lo. Tarde demais. Até que a Justiça se mova e organize um sistema de autodefesa pró-ativo (e não movido à base de papeluchos), muitos perderão a vida. O crime não precisa se organizar. Basta conhecer o endereço do juiz, discando 102.

Pior: doravante, será mais do que suficiente um olhar de soslaio do réu para que o juiz assine — trêmulo, mas de pronto — o alvará de soltura. Eu, no lugar de qualquer deles, assinaria. Você não? Bem-vindos à terra sem lei, sem vergonha e sem senso de ridículo.

Não se esqueçam de Patrícia Acioli!"


O desembargador Siro Darlan enviou artigo ao DIA no fim de semana criticando a chefia do Tribunal de Justiça do Rio na proteção à juíza Patrícia Acioli

Fonte: http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2011/8/siro_darlan_do_insulto_a_injuria_184850.html

 

 

 

 

 


 

 

 

Airton Gondim

unread,
Sep 12, 2011, 9:29:53 PM9/12/11
to amigosdo...@googlegroups.com

Grande Ricardo

Oi, gatinho! Amanhã poderá ser RATO.

Destaquei:

“Nos meios de comunicação — a maioria controlada por grandes financistas e latifundiários chilenos — estimulavam-se diariamente críticas histéricas ao governo socialista, algumas pedindo abertamente a intervenção golpista contra Allende”.
"À direita, pela preparação do golpe em gestação, e que teve em Pinochet, no almirante Merino e na CIA seus principais articuladores".
Cuidado com o CANSEI, olhe como começa e quem organiza.

Um abraço,

Airton



--
Você está recebendo esta mensagem porque se inscreveu no grupo "Amigos do Franklin" dos Grupos do Google.
Para postar neste grupo, envie um e-mail para amigosdo...@googlegroups.com.
Para cancelar a inscrição nesse grupo, envie um e-mail para amigosdofrankl...@googlegroups.com.
Para obter mais opções, visite esse grupo em http://groups.google.com/group/amigosdofranklin?hl=pt-BR.

image017.jpg
image014.jpg
image006.jpg
image011.jpg
image007.jpg
image009.jpg
image013.jpg
image012.jpg
image005.jpg
image016.jpg
image010.jpg
image015.jpg
image004.jpg
image001.jpg
image003.jpg
image002.jpg
image008.jpg

martinho costa

unread,
Sep 12, 2011, 10:24:21 PM9/12/11
to
Nixon, de início, destinou US$10 milhões da verba secreta do presidente (dos EUA) para financiar as ações contra Allende no Chile. O IPES, do Brasil, forneceu formidável "assessoramento técnico" ao órgão similar do Chile, quando do início da conspiração. 
 A elite chilena tem ranço fascista muito forte.  A juventude rica, dali, costumava preferir a Universidade de Chicago para estudar economia, e seguir a doutrinação do famoso teórico do neoliberalismo mais feroz: Milton Friedman.  Daí por que, ao voltarem para o Chile, ganharam a alcunha de "boys de Chicago".  Tiveram eles muita influência na trama para derrubar Allende, bem como para ocupar postos chave no governo do sanguinário Pinochet. Martinho


Date: Mon, 12 Sep 2011 22:29:53 -0300
Subject: Fwd: [Amigos do Franklin] : Imágenes del Golpe: Chile, 11 de septiembre de 1973
From: airt...@gmail.com
To: amigosdo...@googlegroups.com
image017.jpg
image014.jpg
image006.jpg
image011.jpg
image007.jpg
image009.jpg
image013.jpg
image012.jpg
image005.jpg
image016.jpg
image010.jpg
image015.jpg
image004.jpg
image001.jpg
image003.jpg
image002.jpg
image008.jpg
Reply all
Reply to author
Forward
0 new messages