A Ordem Absoluta no mundo fisico, por Romano Amodeo

1 view
Skip to first unread message

amoram

unread,
Aug 18, 2008, 2:20:16 AM8/18/08
to AfilosofiaMOR
A Ordem Absoluta no mundo físico

O ciclo 10 é esta Ordem Absoluta.
Por isso, em 1.702, para funcionalidade e conveniência, foram
idealmente e teoricamente trazidas todas as unidades de medida,
colocadas antes no Sistema MKS (ou Giorgi, do metro, kg e segundo)
OLHA e naquele chamado CGS (do centímetro, grama e segundo), o só
Sistema Giorgi confluido pois no S.I. (Sistema Internacional dos pesos
e medidas, com suas 7 unidades, de: metro, kg, segundo, Ampere,
Kelvin, Mole e Candela).

O numero 10 é a referência absoluta ideal do nosso mundo a 3 dimensões
espaciais, porque, numa realidade como a nossa, na qual o ciclo das
oposições binárias é contado mediante a soma das 2 unidades duma
seqüência a 3 dimensões, a soma 3/3 + 3x3 adiciona a massa unitária
dos 3/3 á correspondente expansão unitária de 3x3.

Vós deveis compreender a incrível condição de confusão dos físicos
quando, na E = mc^2 da Relatividade Geral de Einstein, com Einstein
que chamou (como devia) "ABSOLUTA" a velocidade da luz, usando o
símbolo c^1, eles a contaram mediante uma real experiência relativa,
da velocidade da luz no vácuo, como se, sendo no "vácuo", não tivesse
"de fato" alguma referência real... ! Assim eles a contaram
relativamente ao espaço vácuo e ao tempo, como um Ente precisamente
"relativo" e nunca mais como uma quantidade ABSOLUTA, que fosse
contraria a qualquer significado RELATIVO.

A VELOCIDADE ABSOLUTA da luz é o ciclo decimal, por isso e sem alguma
referência por outro. Se realiza unitariamente como 9/1, isto é a
relação real entre a expansão da energia e a concentração da massa, já
que (3x3) / (3:3) é o por-se tridimensional entre a sua máxima
expansão espacial exprimida no dividendo 9 e no máximo amassar-se
unitário exprimido no denominador 1.
As 3 dimensões do espaço dependem do expoente 3, aquele que o lado dum
cubo deve tomar, para exprimir todo um volume.
Ao contrario, a unidade dum volume V é exprimida pela potência 3/3,
tomada pela base V.
A totalidade, acerca do espaço, é o volume, com 3/3 de concentração,
em potência, no expoente. Portanto o lado gerador do cubo vale quanto
o expoente 1/3 sobre a base V do volume. De fato, V^1/3 é a raiz
cúbica do volume e conta o lado na dimensão em linha.
Já que, EM ABSOLUTO, o lado vale como a potência 1/3 basada sobre a
unidade do volume, somente se este lado tem a VELOCIDADE ABSOLUTA que
é unitariamente exprimida como 3/1, somente então a quantidade 1/3
(acerca da ABSOLUTA REFERÊNCIA UNITÁRIA) pode ficar 3 vezes 1/3, e
assim valer 3/3=1, tanto que fica assim não mais uma linha que seja
1/3 mas uma linha deveras UNITÁRIA (tendo assumida a velocidade
absoluta 3/1 da potência do volume exprimida em função do lado).

A conta 3/1 x 1/3, apresentando como "relação combinatória" o volume
exprimido em função do lado L (isto é L^3/1) e o lado L exprimido em
função do volume V (isto é V^1/3), livre de fato o lado L pela sua
relação com o volume absoluto V, exatamente porque "combina
perfeitamente" a potência 1/3 do lado pela potência 3/1, absoluta, do
volume respeito ao lado.
Neste modo a dimensão em linha do lado passa a ser de fato "unidade
absoluta" quando assume a "velocidade absoluta 3/1", do volume
tridimensional na base do lado unidimensional.

Esta VELOCIDADE ABSOLUTA não é tanto uma velocidade real, de quanto
espaço é percorrido no tempo, quanto o POR-SE ABSOLUTO e UNITÁRIO EM
ISSO entre a dimensão a potência 3 do Volume e a dimensão a potência 1
do seu lado gerador. E' um FICAR ASSIM, de pura existência exprimida
"por linhas" - existência já toda "presente em ato" - do volume a
"potência" 3 respeito a linha (ali onde a Energia é a "potência"/
tempo), basado sobre a dimensão unitária e em linha do tempo (e da
massa) do seu lado gerador.
A "potência" matemática 3/1, assumida pelo lado (ali onde 1 é o seu
"tempo") determina verdadeiramente a Energia em linha, já que, se a
"potência" é a multiplicação 3x1 entre a Energia e o Tempo, por P =
ExT, se extrae que E = P/T.
Agora o lado é somente um parâmetro da área. E' a área L^2 a poder
existir como o Ente autônomo presente que, multiplicado pois pela
profundidade de um tempo todo ainda da vir (no futuro), determina a
unidade do volume na profundidade L assumida pelo tempo.
Portanto a c = 3/1, expressão linear da Energia, deve apresentar-se
como c^2, como a expressão da Energia da seção unitária do tempo, e
essa é ABSOLUTA quando o seu lado assume a VELOCIDADE ABSOLUTA 3/1, da
Energia própria à "Potência" matemática a expoente 3, ficando a
Potência dividida pelo tempo 1.

É absolutamente necessário que os físicos tenham a coragem de gritar
que "O REI ESTA PELADO", tanto de abater todos os comuns lugares e
reconhecer afinal que, na E = mc^2 de Einstein, a ABSOLUTA RELAÇÃO,
ABSOLUTAMENTE VELOZ, entre a Energia de expansão e o seu oposto
amassar-se, é quanto 9/1. Finalmente, esta é a RAZÃO ABSOLUTA, entre a
E e a m, no seu relativo e unitário perfeito e recíproco "ordenar-se":

E/m = (3x3)/(3:3) = 9/1
Este 9/1 é assim a Energia dividida pela massa 1, é a Energia unitária
(TODA) da massa 1, ali onde a ORDEM ABSOLUTA é a soma 9 +1 entre a
massa e toda a sua energia (ou seja entre a massa e toda a capacidade
da massa, de fazer todo o seu "labor", na unidade de tempo, isto é em
10 dízimo = 1).

Toda nossa natureza fica ordenada pela RELATIVIDADE GERAL assim feita
porque o seu cheio ciclo real, presente todo em seqüência linear, fica
9 +1 = 10, sendo precisamente aquele Sistema decimal que nós adotaram,
reconhecendo-o de fato ideal e absolutamente funcional a todas as
nossas contas.

Nós não usamos o 10 porque contamos com 10 dedos, mas, ao contrario,
temos 10 dedos já que contamos mentalmente usando as dezenas. Hão 10
dedos (divididas entre 2 maus a 5 dedos cada uma, e cada uma
sustentada por (3x3)x(3+3) = 54 pequenos ossos) já que é este numero
10 o meio para compreender seja mentalmente, seja manualmente, sendo o
homem a pessoa ideal que "encarna o mesmo ideal" do 10 no seu EU.
Este EU é quase igual, na língua italiana, ao 10, porque EU é IO, em
italiano... Então, não fica também este por acaso, mas porque o
ABSOLUTO é em perfeita relação com o RELATIVO HUMANO, e o ajuda em
todos os modos possíveis e... imagináveis para que possa compreender
"alfa numericamente".
Mediante a "Divina Commedia", o Sistema Onipotente de todas as reais
possibilidades (chamado simplesmente DEUS), determinou na LÍNGUA
ITALIANA uma linguagem mediante a qual seja possível até mesmo
compreender aquela Verdade Fundamental que representa verdadeiramente
o mundo como uma "Divina Commedia". OLHA

Romano Amodeo
Reply all
Reply to author
Forward
0 new messages